A-Maze Berlin 2017

Estive este ano no A-maze, festival de Indie Games aqui em Berlin, para participar do dia focado em VR/AR/MR.

Pela primeira vez eles abriram o festival para isto, mas com um foco mais artístico do que efetivamente de games e desenvolvedores.

O resultado foi bem interessante. Tem muita gente já desconstruindo artisticamente projetos de VR, como é o caso da cyber artist holandesa Rosa Menkman.

Basicamente ela usa DCT (Discreet Cosine Transform) para desconstruir arquivos JPEG e retirar deles o processo de compressão invisível para criar formas e objetos diferenciados.

Disso ela criou uma história de dois personagens, Senior e Junior, que passeiam por este ambiente descobrindo as mudanças de macroblocks para vetores e wavelets.

Tudo bem que o vídeo não dá a dimensão do visual dentro de uma experiência VR, mas pelo menos dá uma idéia.

Além deste projeto, rolaram Contos com imagens em VR, instalações artísticas e um projeto bem interessante do artista e designer Miguelangelo Rosario, que inventou o que ele chama de Cyberdelics, ou uma imersão no Cyberespaço como uma experiência Psicodélica.

A idéia aqui é um tipo de imersão que não te dá a real noção de tamanho, espaço e localização. Assim você se sente solto no ambiente virtual e pode “viajar” por ele.

Diz Miguelangelo que quando terminamos a imersão e retiramos os óculos de VR ficamos ainda uns 15 minutos vendo a vida de uma forma “diferenciada”, o que ele chama de Aftervision. Vale a experiência.

🙂

Aqui um dos vídeos de uma imersão, com música minha de fundo, num projeto colaborativo nosso.

________

Na área dos exibidores alguns projetos interessantes.

Um deles é o ooooovr.comuma experiência deitada em VR.

Quase um relaxamento, você deita e viaja pelas dimensões propostas.

E o cara deitado viajandão –

________

Além dos VR, óbvio que tinha muita coisa de games.

Um game interessante era este Arcade que vc literalmente desenha os obstáculos enquanto joga, criando experiências únicas a cada jogada.

O promo anos-80-fliperama aqui –

E a máquina lá no evento

________

Um uso interessante de iPads e de interação veio com a experiência da Other Tales Interactive.

Prá começar, você não joga sozinho.

E o jogo só continua se vc e seu parceiro, cada um com um iPad, se ajudarem para desvendarem os puzzles juntos.

As desenvolvedoras disseram que o básico do game já está pronto, mas que ainda falta muita criação em cima para fazer uma narrativa longa e interessante para todo mundo.

________

Games desenvolvidos a partir de clássicos também estavam por lá.

É o caso do The Fallenque levou o prêmio de “Most Amazing Game”.

E é mesmo.

É quase um mod de Counter Strike só que ambientado na Ucrânia dos dias de hoje, com gráficos impressionantes. A mira e a precisão do sniper são demais.

Quer baixar e jogar o demo? AQUI

________

Prá fechar, outra experiência bacana é o VinylOS, que ganhou menção honrosa na competição do evento.

Um toca-discos que joga.

Entenda aqui no video –

E eu jogando os dois tipos de game disponíveis

e

Tinha muita coisa bacana acontecendo, muita palestra, conversa, gente se conhecendo e idéias surgindo.

O pólo de desenvolvimento de games aqui da Alemanha é Hamburg, mas Berlin é com certeza a capital dos games independentes do país.

Quer mais imagens? Aqui no Facebook deles tem.

Tudo de bom,

Billy.

Deixe uma resposta