Depeche Mode – Delta Machine

Sou mega suspeito pra falar do Depeche Mode.

Sou fã desde sempre, e toda vez que sai album novo eu piro.

Mas esse Delta Machine tá matador.

Cover

Toda a sonoridade do Depeche Mode veio lá dos anos 80, quando o Vince Clarke era da banda.

vince-clarke-studio-birthday-july-3
Esse é o Vince Clarke diboua no estúdio dele. Inveja master desse estudio!

Se você não conhece o Vince Clarke, eis aqui 2 músicas dentre as centenas que ele já fez.

Acho que dá pra entender que o cara é mega gênio e tem uma qualidade musical absurda, certo ?

Mas, melhor ainda do que ter só o Vince Clarke na banda, era ter o Vince Clarke E o Martin Gore tocando e produzindo. E o Dave Gahan cantando.

Quando o Vince Clarke saiu da banda não mudou muita coisa. Os caras continuaram e fizeram clássicos como esses aqui ó:

Além disso tudo, apesar de ser uma banda eletrônica, o “ao vivo” deles é mais pauleira que muito show de rock por aí.

Ou seja, eles chegaram onde muita banda quer chegar. E que nunca vai chegar.

E esse Delta Machine é mais uma comprovação da qualidade musical dos caras.

Principalmente do Dave Gahan no vocal e o Gore na produção.

Eles conseguem manter a mesma sonoridade mas ao mesmo tempo inovar.

Nesse album as modulações são mais blueseiras, mais jazzeiras. Os sons são mais “soltos”, e a interpretação vocal do Gahan tá mais intensa do que nunca. Até mais do que o Violator.

Como fazer isso ? Pergunta pro Martin Gore. Eu quero é curtir.

Welcome to my World, a que abre o disco, tá a cara toda. O vocal que parece não ter nenhum reverb, cru, seco, na cara, em contraste com toda aquela orquestração que entra depois, com o ambiente inicial.

É de matar.

A mixagem do álbum ficou a cargo do Flood , que já mixou U2, outros do Depeche, Erasure, PJ Harvey entre outros.

Aqui 3 músicas pra dar um gostinho. O resto vc encontra numa iTunes qquer por aí.



Tudo de bom,

Billy.

3 Replies to “Depeche Mode – Delta Machine”

  1. Evandro Pastor says: Responder

    Velho… Também sou suspeito pra falar de Depeche Mode. Os caras são muito bons. E esse disco novo me supreendeu: não imaginava que fosse ser tão bom. Excelente review! Abrazzo!

  2. Felipe Cotta says: Responder

    Grande Billy. De fato, é um discão. Acho que já podemos dizer que tá no mesmo nível do Exciter ou Songs of Faith and Devotion. Mas enfim, danem-se as comparações. Cada disco é um disco e o Depeche Mode continua brilhante. Acho incríveis as bandas que conseguem se reinventar mesmo com 30 anos de estrada.

  3. Maestro Billy says: Responder

    Concordo plenamente com os dois! Tá matador esse novo álbum.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.