DJ – Escolhendo o equipamento correto

Vamos lá.

Muita gente me pega no Twitter, no FB e afins perguntando como ser DJ.

OK.

Ser DJ, em primeiro lugar, não é tão simples quanto a Paris Hilton ou alguma sub-celebridade DJ faz parecer…

Apertar botão todo mundo aperta, certo ? Ou pede pra alguem apertar…

Agora apertar o botão certo na hora certa é que são elas!

É o que eu sempre disse (AQUI por exemplo) o melhor DJ do mundo é o cara que toca a música certa, na hora certa para o público certo.

Sem isso ele é só um apertador de botão.

Mas isso é assunto para outro post.

O que eu quero mostrar aqui são algumas opções para você que quer começar a ser DJ e não faz idéia se começa pelo vinil, CDJ, controladora ou qquer outro meio.

E é importante saber isso, já que a maioria das pessoas que começam num formato tendem a ficar nesse formato por bastante tempo, mesmo com os avanços tecnológicos.

Por exemplo DJs que usam vinil hoje em dia.

Eles começaram no vinil.

E continuam no vinil.

vinyl-wave

Só que o vinil se modernizou e controla o computador. Ou seja, o hardware é o mesmo desde sempre, o software é que mudou.

serato-scratch-live-setup

Entenderam ?

Então vamos a cada um deles:

_____________________________

Vinil

_____________________________

tt-2000

Sim, as velhas pick-ups de sempre.

O começo de tudo.

Ainda hoje é muito legal tocar com vinil. Quem toca diz que é a única maneira de ser DJ. Discordo, mas gosto também de tocar em vinil.

Prós:

-Se você toca com vinil, tecnicamente e teoricamente falando vc consegue tocar em qualquer outro equipamento. Ele é a base e o princípio de tudo. Você aprende a virar sem depender de beatmatch, de sync automático, etc, etc. É na raça e é onde você realmente aprende os fundamentos.

-A “pegada” é mais legal. O tátil da coisa toda. Você realmente vê e sente a música. O equipamento e os discos te permitem isso. As capas são demais, os discos tem “Easter Eggs” e algumas versões em vinil são muito loucas!!!

-O som é sempre bom, não depende de um mp3 de alta qualidade versus um de baixa qualidade. A não ser que seu disco esteja riscado… ou velho demais. Ou suas agulhas estejam em péssimo estado, redondas.

-Existem hardwares e softwares que integram o vinil ao computador, deixando-o controlar o Serato, por exemplo (como na imagem antes aqui no post).

Contras:

-É caro. O equipamento e os vinis são caros. As Technics, que são consideradas o padrão de qualidade do equipamento, sairam de linha. Mas ainda você encontra excelentes equipamentos da Gemini, Vestax, Numark e Stanton, por exemplo.

-É pesado. Levar o equipamento para a balada é um porre. Os discos também. Vejam esse post para entender melhor AQUI

-Vibração. Se não forem colocadas em algum lugar extremamente sólido, as pickups podem começar a vibrar, fazendo o disco pular. Isso é sério, e tem que ser visto com antecedência.

Opinião

Eu gosto MUITO de vinil. Começei tocando no vinil. Aprendi nele. Tenho um monte de singles em vinil. Gosto. Mas levar pra todo lado é inviável. Mesmo se fossem só os vinis para controlar o computador. Tem que ver se na balada tem 2 pickups. O que hoje em dia deixou de ser padrão. Sei lá. Tenho um par de Gemini TT-2000 aqui no estúdio, um outro toca-discos Garrard em casa (toca-discos mesmo, daqueles antigos base de madeira) e uma pickup portátil (funciona a pilha) com conexão USB. Ou seja, em qquer lugar eu posso ouvir meus vinis.

Recomendo pra quem tá começando. Aprender pelo vinil é uma experiência única, que vai te dar um embasamento excelente.

_____________________________

CDJs

_____________________________

cdj700

Prós

-Você provavelmente tem bastante coisa já pra começar a usar. CD é ainda uma mídia muito usada, e tem muita coisa legal para vender, fora o que a gente já tem em casa.

-2 CDJs e 1 mixer é padrão em qualquer casa noturna no mundo.

-É fácil de usar, de achar o “ponto”, de marcar loops. Bem mais fácil de usar do que o vinil.

-Dependendo de como você “queima” seu CD, ele consegue passar as informações de nome da música, etc, etc, para a tela do aparelho. Facilita numa balada escura, por exemplo. Ver as infos na tela do CDJ.

-A maioria dos CDJs atuais aceitam USB Drive, SD Card e outros. Alguns até aceitam 1 USB stick só para controlar até 4 players.

-Podem também ser usados para controlar softwares como o Serato e o Traktor.

Contras

-Equipamento pesado também. Mais leves que as duas pickups, mas mesmo assim um trambolho considerável. Tem que ter espaço, case pra guardar corretamente, etc, etc. Se você quer treinar (já que toda casa noturna tem esse setup), você precisa ter isso em casa.

-Limite físico do CD. Quantas músicas cabem num CD ? E um CD-R? 10 faixas extended num CD? 80 mp3 de 320kbps num CD-R ? É o máximo que vc consegue colocar neles. Então, para ter uma discoteca extensa, tem que levar um belo case de CD.

-Todo CD que vc fizer tem que fazer outro igual. Um espelho. Não adianta ter duas músicas legais, que combinariam super uma com a outra na pista, se elas estão no mesmo CD… Ou seja, espaço dobrado para guardar sua discoteca.

-Por mais que vc ache que tenha TUDO no seu case, sempre vai rolar um momento que vão pedir uma única música que vc não tem… aguarde.

-Com o tempo (nem tanto tempo assim), os CD-Rs começam a se desgastar. Pode olhar no seu case. Os primeiros que vc queimou estão soltando a prata.

-Se você usar os CDJs para controlar o computador, como proceder numa balada em que o cara que vem antes de vc também está fazendo isso ? Em qual momento o som vai parar, ou alguém vai tocar uma música rapidamente num CDJ comum, para que vc possa montar seu setup ?

Opinião

Até um tempo atrás eu usava 4 CDJs e 1 mixer. Adorava, era fácil, simples, direto e reto. Dois deles usava pra soltar loops e efeitos, dois deles usava para as músicas mesmo. Dava super certo. Já me preparava antes, montava os CDs, os loops, tudo mais ou menos acertado para não dar chabú na hora. Só era chato ficar procurando “aquela” música naquele monte de CDs naquele meu case gigante.

Hoje em dia com os USB tudo bem. Melhorou muito o esquema. Segue como uma opção mega viável.

Fora que também, para diminuir os efeitos do “equipamento enorme e trambolhento na minha sala”, temos os combos prontos, como o CDMP-7000 da Gemini. Menor no tamanho, mas com as mesmas funcionalidades do “2 CDJs e 1 mixer”, e ainda com todos os fios escondidos… um luxo organizacional incomparável!!!

CDMP-7000_topfrnt

_____________________________

Controladoras

_____________________________

twitch1

Era o futuro, é o presente.

Prós

-Leve. Muito leve. E compacta. Compacta o suficiente para caber numa boa mocilha junto com seu laptop.

-Possibilidades. Tudo que você inventar, usando o software correto, pode ser feito. Quer misturar 15 músicas em uma só ? Pode ser. Quer criar e remixar músicas na hora em que você tá tocando ? Também dá. É só questão de preparo.

-Rapidez e praticidade. Dependendo da controladora, nem de tomada você precisa. Só ligar o laptop e espetar a controladora no USB. Ligar a saída da controladora no mixer e sair tocando. Em 2 minutos você faz isso.

– Múltiplas opções. Além das controladoras como essa aí em cima (Novation Twitch, a que eu uso atualmente), você ainda pode espetar mais um monte de controladoras no USB como os Launchpads, algum teclado pequeno, um drumpad, etc. Tudo pode ser usado para criar elementos diferentes no seu setup.

Vejam meu setup do Caldeirão.

cald

1 Twitch para controlar o Serato Itch, 2 Launchpads para controlar o Ableton Live. Assim eu tenho possibilidades infinitas para soltar toda e qquer trilha na hora que eu quiser.

Uso a library gigante já devidamente decupada do Serato (com os bpms analisados, os tons certos e tudo mais) e as facilidades do Ableton Live, que me permite editar, cortar, mixar, separar, equalizar e tudo mais que você imaginar (redundância de verbos terminados em “ar”).

-Sua discoteca é do tamanho do seu HD externo. Externo sim, nunca use o HD que tá fazendo tudo rodar para guardar suas músicas. Quantas músicas cabem num HD de 500 Gb?

-Video. Já pensou em mixar vídeos ?

Contras

-Você tem que ter um laptop 100% dedicado à música. Não adianta usar aquele laptop velho que tem Word, antivirus, ripador de video, email, etc, etc. Tem que ter um laptop realmente dedicado. E bom. Novo. Rápido. Com bastante memória. E com pelo menos 2 entradas de USB.

-Por ser extremamente fácil, você tende a apertar o “auto-sync”. Aí existem fóruns e mais fóruns discutindo se isso é ético ou não. No meu caso, quando quero mixar 6 ou mais músicas numa só, acho ético sim. Me preocupo mais em entregar algo 100% garantido e legal do que entregar um “fiz na raça”. Se a facilidade existe, acho que pode e deve ser usada.

-Por usar um HD enorme, você tende a ser preguiçoso e não ouvir todas as músicas. Baixa ou copia os álbuns pro HD e esqueçe eles lá. Na hora de tocar você não sabe qual é a música mais legal.

-Tem que ter organização e método. Por ter tanta opção e quantidade, você tende a se perder um pouco no quesito “o que eu vou tocar agora”. Óbvio que uma preparação ajuda muito nisso, mas às vezes você fica meio perdido no meio de tanta coisa.

-Por ser extremamente atraente e visual, você tende a olhar mais pra tela do computador do que para a galera. E isso é ruim. Cria uma frieza que não ajuda muito na hora de agitar a galera.

-Se você começar pelas controladoras, dificilmente saberá mexer num CDJ ou, pior ainda, numa pickup.

-Ainda existe um pequeno preconceito dos próprios DJs (e da molecada que quer dar uma de bacanona falando mal de quem tá tocando na balada) com quem usa controladora. Eu não tenho o menor preconceito. Isso é coisa de cabeça pequena. O mesmo aconteceu quando apareceram os CDJs. Quem tocava vinil dizia que quem tocava CDJ não era DJ… pffffffffffff… Hoje em dia quem toca com CDJ diz que quem usa controladora não é DJ… pfffffffff. Mas deixa pra lá.

Opinião

Logo que começaram a sair, me interessei pelas controladoras. No começo fiquei mega apreensivo sobre o que comprar. Qual controladora.

Seria melhor comprar uma caixinha AD/DA e ligar uma controladora sem placa de som nela ?

Seria melhor investir um pouco mais e comprar uma controladora com placa de som ?

E qual software usar ? Serato ? Traktor ? Live ?

Eram muitas perguntas porque existiam já muitas respostas.

Minha primeira controladora, que tenho até hoje mas uso como uma central de áudio na minha casa, foi uma Allen & Heath Xone:DX.

É um espetáculo, sonora, tactil e qualitativamente falando.

Foi justamente a transição dos 4 CDJs que usava para 4 canais de Serato Itch. Perfeito. Foi uma excelente (e cara) transição. Fez seu trabalho.

Mas pesa 5kg. Só ela. Some à ela um laptop de 3kg, um monte de cabos, um fone e uma mochila grande. 12kgs nas costas. Não é legal.

Aí veio o endorse da Novation, o que abriu um mundo de possibilidades. A Twitch é leve, os Launchpads também, não precisam de plug de AC, e literalmente fizeram minha cabeça explodir com o que eles podem fazer quando conectados ao Ableton Live. Mesmo. É infinito.

Das 2 pickups, passando para os 4 CDJs e chegando nesse meu setup atual, muito mudou. E meu estilo de tocar também mudou. Agora sou mais direto. Quando faço mashups ao vivo, não perco tempo colocando mais batida do que o necessário pra preparar tudo, por exemplo. Tá tudo lá, on the fly.

Quando vou mixar, já sei os tempos certos, as marcações certas, e isso sem olhar pra tela do computador. Tudo ficou mais intuitivo. Lógico que essa expertise a gente ganha com o tempo, e ganha também porque aprendeu mexendo em vinil, usando CDJ e adaptando às controladoras.

Mas realmente ter uma controladora é uma experiência excelente. Mão na roda de última geração.

Mas, mesmo assim, eu ainda levo 2 sticks de USB com várias músicas, só pra garantir e brincar de vez em quando nos CDJs….

_____________________________

Conclusão

_____________________________

Teste. Use. Aperte os botões. Fuçe. Veja o que é melhor para você.

Nem sempre o que todo mundo usa é bom, é só conveniente e/ou barato.

No fundo no fundo, o que importa MESMO é botar o pessoal pra dançar.

Simples assim.

Quem tá na pista não tá muito preocupado “no quê” você toca, mas sim “o quê” você toca.

Você tá lá pra divertir a galera. E se divertir também, óbvio.

Então pense bem, teste bem, aprenda bem e use bem qualquer que for sua escolha.

Comentários são mais que bem vindos aqui!

Tudo de bom,

Billy.

91 thoughts on “DJ – Escolhendo o equipamento correto

  1. gostei, além de explicar certo tem um bom conhecimento sobre equipamentos, e acima de tudo aparenta ser bastante humilde que e o fundamental

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *