iCloud e o Mercado Musical.

Mais uma da Apple, mais um monte de gente falando sobre o assunto.

Vamos (eu incluso) tentar entender o que é o iCloud.

No geral é um MobileMe melhorado. Provavelmente gerenciará todos seus emails, contatos, calendários e afins. Além disso também sincronizará fotos, videos e música.

Tudo na nuvem.

Quem não está familiarizado com o conceito de “computação na nuvem” ou “cloud computing”, acesse AQUI

No que diz respeito à música, é exatamente isso, compartilhamento “na nuvem”.

Qualquer dispositivo Apple conectado pode acessar essa nuvem e acessar assim as músicas que estão disponíveis.

Teoricamente você sincronizará suas músicas do iTunes nesse iCloud.

Teoricamente.

Vamos ao que pode acontecer….

Mais um tiro nas moribundas gravadoras ?

Pensando que sua biblioteca vai subir prá algum lugar e você poderá compartilhar onde quiser, com certeza é mais um tiro sim.

Mas acho que não.

Na verdade vai até melhorar a vida delas.

A partir do momento em que não há download (das interwebs prá sua máquina/iPod/mp3 player), o acordo deve ser muito mais fácil.

Até porque para você ter esse iCloud funcionando vc pagará US$ 25 por ano (como @franciscohomsi bem lembrou no Twitter) (Leia mais abaixo)

Como sabemos, o grande “medo” de qualquer gravadora é ter sua música pirateada.

Configura pirataria a troca de arquivos ilegais e/ou a compra ou venda destes por terceiros nao-detentores dos direitos autorais e fonomecânicos.

Isso só é possível no download ou comprando CD pirata na rua.

Com o iCloud esse problema termina. O controle é muito maior pois o arquivo não sai de onde está. Ele só é acessad0 por várias pessoas ao mesmo tempo.

Ponto prá Apple e prás gravadoras.

Agora e como ficam as gravadoras e os artistas independentes ?

Eles terão os mesmos benefícios que as grandes gravadoras ?

Uma “grande independente”, a Merlin, disse estar preocupada com essa exposição, se eles terão igualdade nas negociações com relação às majors, se músicas compradas de sites externos ao iCloud poderão ser tocados (Beatport, por exemplo), se seus CDs ripados (que eles podem não ter na nuvem) continuarão disponíveis ou colocados também nessa sua nuvem?

(Atualização – A @CNNtech acabou de dizer que “Ripped/Napster-era songs get replaced with high-quality tracks.” Bacana! é o tal iTunes Match e é por isso que você vai pagar US$25 por ano. Ponto prá Apple)

São diversas dúvidas que só saberemos com o desenrolar do assunto e com o serviço funcionando.

Do meu lado vejo como mais um grande aliado na busca por soluções concretas e reais para o “problema” que o mercado musical tem atualmente.

Vejam a imagem recém publicada no site sobre o iCloud

RESUMINDO

Até algum tempo atrás não existiam essas soluções como a do iCloud, o que decretava o fim do mercado da música como o conhecemos.

Hoje em dia com players como o Sonora, o Music Beta do Google, o serviço de compartilhamento da Amazon e agora o iCloud, servem para justamente criar um novo formato de venda.

Como o @cavallini disse uma vez numa conversa, o CD só servia prá levar a música da loja até sua casa.

Hoje em dia não precisamos mais dessa “sacola” de compras.

Tá tudo lá online.

E, ainda mais, hoje em dia nem levamos prá casa. Tá tudo voando, na nuvem…

Comentários ? Alguma novidade ? Algo a ser pensado além disso ? Fiquem 1000% à vontade de colocar aí nos comentários !

Tudo de bom,

Billy.

PS_Update 1 – O que comentam agora é que o iTunes Match não é nada mais do que “legalizar sua pirataria”.

Por US$ 25 você legaliza tudo que baixou sem autorização. OK.

Se você baixou 25.000 músicas (sim, tem gente que baixou tudo isso pirata), cada música pagará US$ 0,001.

Óbvio que o ponto não é este pagamento, este valor.

O ponto é você se acostumar com a legalização das suas músicas e passar a consumir via iTunes Music Store o pelo iTunes Match.

Mais para um “começo de mercado” do que para uma “solução imediata para todos os problemas do mundo”.

Update 2 – Outro ponto que os independentes consideram.

Não vai trazer nenhum benefício real para o pequeno artista/label.

Tudo vai continuar na mesma. Só sua música não será mais ou menos baixada por ela estar no iCloud.

Em termos de exposição, o YouTube ainda é um melhor canal de divulgação do que o iCloud.

7 Replies to “iCloud e o Mercado Musical.”

  1. Francisco Homsi says: Responder

    Boa Billy.
    Mandou bem e rápido!!!!
    Sabe que mesmo diante disso tudo, ainda mantenho meus CDs e HDs pois tenho pé atrás com esse negócio de “nuvem”.
    Lembra quando lançaram o MobileMe, quanto bug!!!
    Esse negócio falha sempre quando você mais precisa.

  2. Pensando em mudar meu nome pra Dj Miss iCloud (sacomé, preciso me modernizar hahahahaha!)

  3. Sobre o Update 1: não seria US$ 25 por ano para essa “legalização”.

  4. Parece que o iTunes Match terá um limite de 18.000 músicas para a tal “legalização”.
    Além disso, será usado a qualidade de 256K, um problema para quem tem uma grande parte de suas músicas em 320k (como eu)…

  5. E sera q num futuro proximo vc so podera adicionar na nuvem as musicas compradas na iTunes Store ou legalmente??

  6. Rich,
    Boa pergunta. Pelo que entendi vc pode sim, mas a idéia aqui é “já que vc tá pagando, paga mais um pouco e já compra legalizado”.

  7. Maestro ,
    Boa materia…..
    Realmente o ICLoud vai contribuir para reduzier os piratex… toda musica tem seu valor e custa para ser criada… Se outros portais de musica como Myspace, ReverbNation e muitos outros adotarem a mesma filosofia passamos a ter um local para mostrar os trabalhos independentes e quem sabe os musicos poderem ganhar com participação dos anunciantes… ou sob licenciamento da musica….
    A midia digital ainda precisa ser explorada pela musica… nao se trata somente de upload e downloads…. tem algo muito alem disso tudo , a ARTE !

    Abracos.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.