O que importa é a Música.

Tava aqui pensando com meus botões.

Na verdade tava aqui juntando uma série de informações dos papos, leituras, conversas, palestras e tudo mais que está acontecendo e cheguei àquela conclusão mais que óbvia, só que a gente nem para mais prá pensar sobre…

O que importa é a Música, no final de tudo. Sim, essa Música com letra maiúscula, o conceito.

Tá você pode dizer “Dãr, é lógico!” , mas se parar prá pensar não é tão lógico assim.

A gente se prende a tantos conceitos e situações que não para prá analisar o que acontece na música hoje em dia.

Não importa se a música é consumida na balada, no rádio, na internet, no mp3 player, no tablet, na TV, na nuvem, em CD, vinil, wav, aiff, ou em qualquer outro lugar/suporte.

O que importa é ouvir música.

Quer CD ? Ainda tem. Pirata ou não. Coletânea então é o que não falta (AQUI tem uma explicação sobre o assunto)

Quer ouvir música ao vivo? Tá lá em qualquer barzinho, show ou casa de concerto, fique à vontade (aliás recomendo, ouvir música tanto no Theatro Municipal quanto na Sala São Paulo)

Quer ouvir os últimos sucessos do momento nas rádios ? É só ligar nas principais FMs do Brasil, toca de tudo um pouco.

Quer lembrar daquela música que você nem sabe mais o nome da banda, só um trecho da letra ? Joga no Google e sai caçando online.

Tá com o iPod lotado de música ? Dá um play e reza pra São Random !

Quer achar playlists legais e diferenciados ou até mesmo ouvir antes de comprar alguma música ? Sonora, iTunes e toda essa turma com bilhares de músicas disponíveis estão aí.

Bom, o que importa é o seguinte:

São tantas opcões e o povo ainda reclama que não tem música boa por aí.

Tem sim, você é que provavelmente tá procurando em lugar errado.

No antigamente, beeeeeem antigamente, a gente tinha que sentar numa sala de concerto e ouvir o que o Maestro queria que a orquestra tocasse.

Depois, evoluindo bem mais, tinhamos que ouvir só o que as FMs, AMs  e gravadoras (e seus discos) nos mandavam. Não tinha como escapar. Era a época dos Mega-Pop-Stars.

Depois, indo mais prá frente ainda, especialmente no Brasil, começamos a ouvir coisas diferentes de gravadoras diferentes, mas ainda presos aos CDs.

Veio a internet, bagunçou tudo isso, e bagunçou prá melhor.

Tudo está disponível e todo mundo que trabalha com música “se coçou” pra fazer a coisa funcionar do lado que lhe interessa.

Não adianta querer tirar música do ar, suspender licenças, brigar com quem baixa ou com quem copia, ficar de mimimi porque algum processo dentro do mercado mudou, etc, etc.

Isso tudo não é o que importa.

Hoje tem de tudo prá todo mundo, disponível 24hs, 7 dias por semana, ao alcançe das mãos e dos ouvidos.

Em qualquer lugar.

Afinal, o que importa mesmo é a Música, né ?

Tudo de bom

Billy.

PS_Algum comentário ? Fique à vontade !!!

4 Replies to “O que importa é a Música.”

  1. O que importa é a música …

    Tenho 36 anos, e quando eu era garoto, para se conseguir uma música, tinha que deixar a fita gravando nas rádios oras a fio … ou quando juntava uma grana, ia para loja de discos e ficava no mínimo 1 hora até escolher o melhor LP (fora quando tinha que passar o rídiculo e ficar cantando um pedaço da música para o balconista, para ele achar a dita cuja …) isto era bom demais!!!!

    E hoje eu vejo meu sobrinho 7 anos, chega da escola, senta na frente do computador, entra no Youtube e curte suas músicas (fora quando ele não abaixa!!!) … bem vindo a evolução!!!

    E uma coisa que eu acho engraçada … pela praticidade de hoje, ele não entende o porque eu esculto meus LP`s … eu só falo para ele – quando vc tiver um pouco mais de idade, vc irá entender!!!

    Um abraço.

  2. […] final de semana ficar bacana, porque afinal o que importa é a música […]

  3. Laura Catta Preta says: Responder

    “oi meu nome é laura, tenho 27 anos e também ficava com a fita a postos no rádio”

    (oooi laura)

    pq CD era muito caro!
    qq coisa era cara, eu tava na escola rs.

    mas sério, eu odeio escutar por aí, e escuto muito, que hj em dia a gente não aprecia música como antes, pq não tem o ritual e o escambal.
    como se dificuldade e a apreciação fossem a mesma coisa.
    hoje em dia eu penso que qdo eu tinha 12 anos meu sonho era conseguir gravar Love to Hate You do Erasure no rádio, e nuuuunca tocava mais (já era 1996, veja bem), e agora eu dou graças a deus por conseguir ouvir tudo que eu quero na hora que eu quero.
    e tb pelo Erasure vir fazer show mês que vem.

  4. […] eu disse neste post AQUI, tem que largar a mão de pensar que “antigamente que era legal, virar com vinil era muito […]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.